domingo, 14 de julho de 2013

Balance

O que quer dizer equilíbrio ao certo? I really mean it ... Alguma vez se sentiram perfeitamente em equilíbrio?
Tiveram um momento em que a vossa consciência, força de vontade, coração e mente apontavam na mesma direcção, um momento sem a mais insignificante das dúvidas, em que todo o Universo conspirou para que, particularmente naquele momento, tudo fosse perfeito?

A vida muda, e quer queiramos quer não, todos mudamos. As mudanças podem ser bruscas ou então nem damos por elas, instalam-se sorrateiramente e só nos apercebemos quando chegamos à conclusão que não podemos voltar atrás, por já ser tarde demais.

No meu aniversário costumo aperceber-me de mudanças, mais que nunca. De ano para ano, mudam as pessoas, os locais, os cheiros e aromas. Muda quem me congratular (embora também haja quem o faça há anos), mudam as receitas, muda quem vem ao lanche do scone (que este ano foi bolo bordeaux velvet). É como um deja vu com alterações. Inevitavelmente, o interminável fio que é o tempo, muda ... e com ele, mudamos nós. "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades".

E se, como a felicidade, o equilíbrio for algo puramente - certamente é -momentâneo? Se estivéssemos sempre felizes não seria preciso definir felicidade mas sim tristeza, a felicidade perderia significado, assim como o que nos importa é sermos felizes e não tristes, certo?

É que ás vezes torna-se difícil fazer com que tudo aponte para o mesmo lado, por vezes lutamos contra o nosso coração, outras contra o que o impede.

Porque há dias em que se torna confuso ... tudo ... para dizer a verdade. E ingrato. Claramente relacionei o título deste post com mudança e não foi intencional. Como é possível que num interior em constante mudança, se atinja o equilíbrio? Será o equilíbrio a felicidade? E aqueles momentos loucos, completamente imprevistos e altamente genuínos que marcarão para sempre as nossas vidas? Não terão sido também esses momentos de felicidade? (independentemente das consequências - positivas ou negativas - dos mesmos). Será a busca de felicidade um acto consciente ou a mesma vai-se proporcionando à medida que correm os dias?

É que para mim, os dias têm passado depressa demais.





Sem comentários: