domingo, 30 de janeiro de 2011

Cem anos de Solidão

Ultimamente tenho lido mesmo muito: descobri sob a forma de choque pessoal que gosto dos romances enfadonhos mas talentosos de Nicholas Sparks, os livros técnicos/divulgação científica continuam a cativar-me e os artigos que ainda me faltam de ler para o projecto não chegam :).
Gosto de saborear uma boa leitura, mas dou por mim a ler todo o "Uma Escolha por Amor" em duas noites, antes de adormecer, suponho que não tenha já coisas suficientes que fazer lol.

Hoje fartei-me de estar em casa com esta luz soalheira do quarto que tanta nostalgia me dá,  e por isso saí até a um dos locais que mais gosto em Aveiro. Descobri-o nas aulas de campo de Ornitologia e à primeira vista não tem nada de especial mas gostei da aura daquele terreno a beira-ria onde gaivotas, galinholas e tantos outros chapinham em descanso dos seus voos, onde o horizonte é a outra margem, cheia de gruas e indústrias numa dualidade ria/indústria estranha, mas ainda assim, em aparente equilíbrio.

Encostei-me à casa de madeira vermelha que guardava o sal da antiga salina. Como é uma propriedade privada, 2 idosos olharam para mim com desconfiança quando atravessei a entrada,  mas senti outra vez a pequena adrenalina de saber que ia estar onde não podia, e que sítio bonito é aquele. Abri o livro e li por muito tempo, com as mãos geladas de o segurar e quando uma das tantas aves piava mais alto, acordava e espreitava a paisagem.

Já tinha saudades de saber que a vida ainda pode ser incrivelmente simples.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Balance?


 Dói-me quando respiro, quando me espreguiço. Basta um pequeno movimento e os meus músculos doridos dão sinal de vida.
Apesar do frio, está sol lá fora e sol cá dentro, ontem foi dia de Kundalini Yoga :)

O Raiar do Sol

Chegam promessas, convites, desafios, conversas acerca de um mundo diferente, onde as possibilidades aumentam à medida da vontade e não há margem para arrependimentos. 

Nestes dias de contentamento até me sinto mal por ainda me dar ao trabalho de querer ser da maneira a que sempre fui fiel. Não me vou habituar ao agradável sentimento da segurança, à desventura da rotina, à frieza do dia-a-dia, nem aos monótonos "mas já falámos hoje", "está tudo bem", "hum hum, ya ... ya ... ya ... ". Só lamento não ser assim porque ia ser com certeza mais feliz, ao bom modo dos ignorantes. Por outro lado, sou mais que isso, muito mais, porque sinto cá dentro o genuíno sentimento de querer, de não dar nada por garantido, de lutar todos os dias pelo que quero.

Chama-lhe ansiedade, insegurança, romanticismo, amor, chatice, não importa porque eu sei o que sou, o que quero, o que ambiciono, não sou um poço de aura brilhante nem tão sábia, mas sou mais, sou eu. Também aceito críticas e para mal dos meus pecados sei pedir desculpas.
Com a argumentação herdada do pai formulo hipóteses e chego sempre à mesma conclusão: nunca serei 100% feliz nem 100% realizada. Significa, portanto, e ainda bem, que EU não me acomodei. E tu?


Faz frio lá fora, mas o raiar do sol nos últimos dias fez despertar as vontades, talvez a propor a vivacidade da Primavera.
Acordada, a tentar não pensar no sentimento mais controverso da vida.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Emergir

Somos bombardeados com programas de caça de talentos nas mais diversas áreas, as edições repetem-se uma e outra vez, os vencedores são efémeros ilustres. Nos dias que correm todos acreditam ser especiais, todos querem ser conhecidos, mostrar ao mundo o quanto valem. Talvez por vivermos numa sociedade onde se apela à uniformidade, onde ser diferente, é ser marginal e onde quem é igual está integrado. Surge a necessidade de aparecer, fazem-se as mais ridículas figuras, tudo para sobressair na sociedade em série! Mas ainda assim, fazem-se espantosas descobertas, de pessoas com essência, dramatismo e intensidade ... ainda assim existem pessoas como Kseniya Simonova.


Suponho que seja bom ser-se diferente.

Retorno

Há já uns meses que não escrevia. Pensei criar um novo blog, o meu conceito de escrita mudou, mas este tem tanta história e começou por ser o que ainda o é, um espaço meu, de partilha, daí não haver necessidade de um novo, afinal o objectivo é ainda o mesmo: partilhar.
Assim, Intensidezz volta em força! De "cara lavada" ..

Deixo-vos duas fotos, sobre quente e frio.



Vemo-nos em breve*
Fotografias por Lenny ;)