quinta-feira, 22 de abril de 2010

Tapa-Sol

Estou farta que sejas a nuvem cinzenta por cima de mim, quero ver o sol e o frio que me trazes só me faz ficar mais longe daquilo que sou eu.
Talvez tenhas falta de carácter, e são várias as vezes que te observo fraco, inseguro, menor.
Acho piada as pessoas quererem o menos bom para elas, só com medo de não corresponderem ás expectativas daquilo que à partida pensam não conseguirem satisfazer. O potencial da espontaneidade é imenso, de se deixar levar sem receio, desse mesmo, saíram as pessoas mais bonitas da minha vida, os momentos mais verdadeiros, as palavras que nunca pensei dizer.
Não são precisas contagens, estatísticas, passados, o que importa é o devir, e sei que hoje, sou melhor pessoa, mais que no passado.
Bem ... só mesmo para dizer que vais deixar de ser o meu tapa-sol, e que não escreverei (sentirei, viverei, desejarei, quererei, sonharei, imaginarei, tudei)  mais sobre ti, deixaste de valer a pena.
Já só quero ver-te como a mais qualquer outro.

Enpowered by Living Darfur

Sem comentários: